As especiarias mais caras do Mundo

O luxo também se come, ou melhor, degusta-se...

Há quem não os dispense na sua alimentação, nem que seja apenas em confeções especiais ou em momentos de convívio à mesa mais requintados.

São cinco diamantes gastronómicos e são os verdadeiros tesouros que deve ter à mão se deseja entrar no grupo restrito e exclusivo dos gourmets.

Perceba o que os torna estes ingredientes tão especiais (e caros) e saiba como podem ser degustados.

Açafrão

É certamente o ingrediente mais caro do mundo, e com uma das mais trabalhosas e minuciosas obtenção. O açafrão é o pistilo da flor Crocus Sativus, e possui cor lilás. Como especiaria que já chegou valer mais que o ouro, é cultivada na Ásia desde a antiguidade, e chegou na Espanha através dos árabes. Hoje é o país ibérico responsável por 70% da produção mundial, líder absoluto.

Apesar do fácil cultivo, é a extração que faz do açafrão ser extremamente caro. Manualmente o açafrão é colhido, passando na sequencia por uma secagem para conservar, e depois pronto para consumir. São necessários pistilos de aproximadamente 150 mil flores para obter 1kg da especiaria, justificando o seu valor que pode chegar até 20 mil euros. O seu sabor marcante proporciona forte cor amarelada na comida, e é ingrediente principal para pratos com o “risoto alla milanese”.

Vagem de Baunilha

Baunilha (Vanilla planifolia) é originada de uma orquídea nativa do México; possui 109 espécies pertencentes à família das Orquidáceas.

Ela já era usada pelos índios mexicanos desde os tempos mais remotos, mas foi disseminada pelos espanhóis colonizadores, em diversos continentes do planeta; tornando-se uma das especiarias mais caras do mundo.

A baunilha é extraída dos grãos da vagem, que passam pela etapa da secagem, que gera uma fermentação natural, que escurece os grãos e os deixa com o perfume concentrado. Após a secagem, é esmagada e mergulhada em álcool.

Há dois tipos de baunilha que são utilizados na alimentação: a Bourbon (com aroma mais forte) e a Taiti (com aroma mais floral), sendo essa última a mais utilizada pelos chefs da gastronomia. A fava em si não tem nenhum sabor; por isso ela precisa ser seca e fermentada para ser usada na culinária.

A fava da baunilha é utilizada para diversas receitas culinárias tais como cremes, batidas, tortas, pudins, sorvetes, bolos e biscoitos. Ela é usada por grandes chefs de cozinha para realçar o sabor das criações culinárias.

Pimenta

Pimenta do Reino (Piper nigrum) é uma trepadeira de origem indiana, sendo considerada uma das especiarias mais caras e comercializadas no mundo.

Trepadeira que pode alcançar até 4 metros de altura, prefere clima tropical para seu crescimento, solo rico em nutrientes e rega constante.

Ela não tolera temperaturas baixas e geadas. Os frutos têm formato de drupa, apresentam-se na cor verde e ficam vermelhos quando amadurecem. A sua propagação é através de sementes e mudas. Ela é classificada como pimenta branca, pimenta verde ou pimenta preta, de acordo com a maturação dos seus grãos.

A preta, são frutos colhidos imaturos, ainda completamente verdes, e deixados para secar ao sol por vários dias ou com o auxílio de equipamento adequado, até que se tornam enrugados e enegrecidos.

A verde, são os frutos colhidos imaturos e usados ainda frescos ou submetidos a processos que mantêm a cor natural dos frutos, como a liofilização ou a produção de conservas.

A branca, são frutos colhidos quando estão avermelhados, já maduros ou quase maduros. São colocados em sacos de algodão e deixados em tanques com água corrente por mais de uma semana; para que a epiderme e a polpa dos frutos se decomponham ficando apenas as sementes.

A pimenta é utilizada como especiaria na preparação de diversas receitas culinárias quentes ou frias, em doses moderadas, por causa de sua ardência.

O Alho Negro

Febre na alta gastronomia, esta iguaria é desmistificada e agora acessível aos cozinheiros e experimentadores!

Após 40 dias fermentando e após um processo de pasteurização, utilizando-se apenas água e calor e sem adição de qualquer componente químico, os dentes de alho estão negros. As cabeças de aparência envelhecida e queimada escondem um agradável aroma de frutas e o sabor é novo, delicado e adocicado e lembra ameixas, tâmaras e figos secos. Têm um toque cítrico, não arde.

Este produto mantém todas as qualidades do alho branco muito apropriadas à melhoria da saúde em termos gerais e tem algumas adicionais além de ser rico em antioxidantes.

A utilização na alta gastronomia tem crescido muito. Muitas receitas de chefs conceituados estão disponíveis em diversos sites especializados, nomeadamente pratos de massas e peixes e temos até sorvetes e sobremesas. Pode ser usado em carnes brancas e vermelhas, massas, pastéis, doces, geleias, sorvetes, pães, patês, sopas e cremes, saladas, molhos, enfim, até onde a criatividade chegar.

A sua utilização é secular, aparentemente surgiu nos países asiáticos. Em 2008 chegou aos Estados Unidos e Inglaterra e em julho de 2009 na Austrália.

Cardamomo

É a principal especiaria que compõem as principais masalas (mescla de especiarias que se modificam dependendo do prato que você vai preparar) da índia.

O cardamomo têm um sabor cítrico que combina bem com canela, gengibre, cravo, noz-moscada e pimenta. Cardamomo (Elettaria cardamomum) é a semente de uma planta parente da família Zingiberacea, a mesma do gengibre. Apesar de ser uma das especiarias mais caras do mundo, é usada há séculos para fins medicinais, espirituais e culinários. Nativa da Índia, foi plantada no jardim do rei da Babilônia em 721 aC e introduzida na Europa pelos soldados de Alexandre O Grande em 325 aC. Os romanos e gregos usavam-na não só na culinária mas também como perfume. Diz a lenda que Cleópatra perfumava seu palácio com cardamomo quando recebia a visita de Marco António.

O cardamomo é maravilhoso em pudins de leite. Pode ser utilizado em marinados, pratos com arroz, pães, bolos e doces. Utilize as vagens inteiras se pretender um sabor subtil, mas parta-as se o pretender mais forte. Moído perde os seus melhores óleos, pelo que convém usar sementes frescas e moê-las quando necessário. Excelente na preparação de Gins.